Projeto Brasil Sem Alergia 
 

BRASIL SEM ALERGIA MARCA PRESENÇA EM IMPORTANTES EVENTOS PARA A SAÚDE

Um desses eventos foi a visita da reitoria da Universidade de Laval à Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro. Confira.

Saiu na Mídia

CIENTISTA CANADENSE COLOCA À DISPOSIÇÃO DO BRASIL TÉCNICA INOVADORA DE DETECÇÃO E TRATAMENTO DO CORONAVÍRUS.

O cientista canadense, Dr. Jacques Tremblay, alerta sobre a urgência do COVID-19. Tremblay é professor do Departamento de Medicina Molecular da Universidade de Laval e pesquisador do Centro Hospitalar da Universidade de Laval, Quebec. 

A equipe do Dr. Jacques está empenhada em desenvolver métodos inovadores de detecção e tratamento do Coronavírus com base na tecnologia CRISPR.  Depois do trágico cenário em função da doença é necessário mais do que nunca a colaboração entre governos e pesquisadores em todo o mundo. Algo que  professor Tremblay está, portanto, tentando estabelecer com diversos países, incluindo o Brasil. Essa colaboração pode ajudar bastante a reduzir o impacto da epidemia. Ele enfatiza a importância dessa integração para resolver os problemas causados pelo COVID-19 que  já infectou centenas de milhares de pessoas em todo o mundo.

Sobre o a pesquisa o professor enfatiza que o método atual para detectar o COVID-19 na maioria dos países é o RT-PCR. É um método baseado na transcriptase reversa e na reação em cadeia da polimerase. Este método requer técnicos treinados e equipamentos de laboratório com número limitado. Ele sugere que esse método poderia ser substituído por um novo, mais simples e mais eficiente, que não requer profissionais técnicos e equipamentos dedicados, o que limita o número de testes realizados e atrasa o diagnóstico da doença. A potencial nova técnica citada é a CRISPR, existente desde 2017 e é muito mais rápida e pode ser mais apropriada já que facilitaria a detecção de infecções virais e poderia ser usada por muitas clínicas em todo o Brasil. 

Tremblay diz que o novo teste de Sherlock é tão simples quanto um teste de gravidez. Ele usa uma tira simples de papelão e a aparência de uma faixa preta indica um resultado positivo. Portanto, é mais barato que o teste de RT-PCR atualmente usado. Além disso, pode ser usado diretamente sem treinamento técnico ou equipamento caro em qualquer clínica. Sobre o Brasil, ele diz que gostaria de colaborar com pesquisadores brasileiros da unidade de imunologia do hospital Santa Casa da Misericórdia, no Rio de Janeiro, para desenvolver essa tecnologia de detecção e, posteriormente, um tratamento para o COVID-19. 

 O professor Tremblay coloca à disposição o Centro de Pesquisa do CHU de Quebec-Université Laval através da unidade de imunologia do Hospital da Santa Casa e diz que gostaria de colaborar com cientistas brasileiros nesse momento de crise internacional em que pesquisadores de todos os países devem colaborar o máximo possível.